Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Irreverências No Feminino

By Marta Leal

Irreverências No Feminino

By Marta Leal

Felicidade Imposta ou Felicidade Sentida?

images 1.jpg

 

Confesso! Eu confesso que existem aqueles dias em que tenho a sensação que o mundo enlouqueceu e que nos estamos a tornar autómatos desprovidos de sensações, sentimentos e emoções. Trabalhando com a mente conheço a capacidade que todos temos de fazer diferente e fazer melhor. Também sei que posso, facilmente,  alterar o meu estado emocional e todo o meu estar. Mas será que o devo fazer sempre? Será que tenho o direito de impor ao meu ser aquilo que não estou a sentir?

 

Acredito que vivenciar as emoções é importante. Acredito que permitirmo-nos sentir raiva, ódio, amor, tristeza, dor e frustração é permitirmo-nos viver. Acredito que chorar nunca fez mal a ninguém e que aprender a secar as lágrimas faz parte de um processo todo ele de aprendizagem. Impormos a nós mesmos uma felicidade que não sentimos é no mínimo violento. 

 

Mais do que impor é necessário sentir, apenas sentir!

 

Estuda-te, conhece-te e aprende-te. 

 

O Erro e a Aprendizagem

 

Erro_Aprendizagem.png

 

Thomas Edison disse “eu não falhei 1000 vezes. Eu descobri 1000 maneiras de não fazer uma lâmpada eléctrica”

 

Uma das coisas que me preocupa na sociedade moderna é a necessidade de perfeição. Estamos tão preocupados em criar seres perfeitos que nos esquecemos do mais importante: valorizar o erro sob a perspectiva da aprendizagem. Focamos-nos demasiado no erro e esquecemos-nos do que aprendemos com ele.

 

Todos precisamos de encorajamento e de validação positiva para aprender e é isso que nos fazem quando somos bebés e dizemos as primeiras palavras e/ou damos os primeiros passos. No entanto, à medida que começamos a crescer aqueles que nos rodeiam deixam de nos encorajar quando tentamos aprender alguma coisa nova e, em vez disso, começam a apontar os erros que cometemos ou então a afirmar que será impossível conseguirmos fazer isto ou aquilo. É esta a razão pela qual a maioria de nós se sente tão limitada ao longo da vida.

 

Hoje, sugiro que penses em cinco momentos da tua vida em que cometeste um erro e aprendeste com ele. Pensa no que teria acontecido se não os tivesses cometido.

 

Descobre a tua missão de vida!

 

 

Descobrir a nossa missão de vida é descobrir a nossa essência, o nosso dom ou como alguns dizem a nossa razão de ser.  Descobrir a nossa missão de vida é transformar o cinzento em cor e a dor em amor.

 

1) O que sentes que está incompleto na tua vida?

 

2) O que gostarias de aprender?

 

3) O que farias se ganhasses o euro milhões?

 

4) O que farias se só tivesses 6 meses de vida?

 

Responde a essas questões com toda a honestidade como se não existisse qualquer condicionante.

Fácil não é?

 

A vida é fascinante. O que é preciso é vê-la com os óculos certos

 
"A vida é fascinante. O que é preciso é vê-la com os óculos certos."
Na verdade, usando como recurso a frase de Alexandre Dumas, o coaching e a Marta foram as minhas "lentes"! Quando eu não sabia mais como lidar com uma série de situações, as mesmas iam-se arrastando na minha vida e a forma como eu as via ia-se reduzindo à impossibilidade e inabilidade de as resolver.
Quando me falavam na palavra "mudança", eu anexava-a a processos longos e demorados... Mas com a Marta, tratou-se de um processo de curto prazo, em que à medida que as semanas foram passando, eu fui olhando para trás e pude notar as diferenças! Eram mais do que óbvias... O coaching foi para mim a resposta que procurava, e representa o alcance das minhas metas pessoais, ganhando a força, a capacidade e o domínio de mim mesma para a partir daí ganhar asas e alcançar qualquer meta ou resolver qualquer obstáculo que a vida me apresente."  Ana Rita do Mar
 
Encare-se os desafios  de frente e entenda-se que apenas servem para encontrarmos soluções e crescermos numa vida que nada mais é do que um caminho para a aprendizagem e para o cumprir de uma missão nossa, só nossa.

 

Quando aceitarmos os desafios como degraus para atingirmos aquilo que tanto ansiamos vamos sorrir-lhes em vez de nos lamentarmos.

 

Os meus fizeram que hoje continue assim muito mãe, muito mulher mas sobretudo eu mesma. E tu o que é que vais fazer com os teus?

Aprendizagem

(imagem retirada da net)

 

Fale-se de aprendizagem mas esqueçam-se palavras escritas. Fale-se de aprendizagem e fale-se daqueles que nos têm tanto para dar. Esqueçam-se graus académicos, lugares atribuídos ou percursos percorridos. Fale-se de aprendizagem e sinta-se aquilo que os outros nos tem para dar.

 

Gosto. Gosto de me derreter com as palavras sábias de quem sabe do que fala. Gosto de me deliciar com as historias de vida onde se pensa que existe apenas vida sem historia. Bebam-se palavras tal e qual nos saciamos quando temos sede.

 

Gosto dos que me fazem perder o tempo e o espaço apenas porque um dia viveram.

 

Um dia com sabor a aprendizagem, muita aprendizagem.

 

 

Marta Leal

Caminhos

 (imagem retirada da net)

 

Não deixa de ser  interessante a forma como a vida nos vai ensinando ou,  melhor dizendo,  a forma como as experiências de vida nos vão fazendo mudar de opinião. Mudamos de opinião não só em relação à forma como encaramos a vida mas acima de tudo aos caminhos a seguir.

 

Tempos houve em que acreditei que o destino estava traçado, isto é, por muitas voltas que pudesse dar as coisas acabariam sempre por acontecer naquele sentido. Hoje acredito no oposto somos nós que traçamos o próprio destino pelos caminhos que decidimos percorrer, pelas pessoas que decidimos acolher, pelos que decidimos abraçar. Cada vez que chegamos a uma encruzilhada só a nós cabe a decisão de escolher o caminho para onde queremos ir. Se errarmos só nós resta voltar atrás e percorrer outro caminho. A isto chama-se aprendizagem. Acredito que só crescemos como pessoas se aprendermos não só nas derrotas mas também na forma como celebramos as vitórias.

 

Um dia com sabor a vitória, muita vitória

 

Marta Leal