Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Irreverências No Feminino

By Marta Leal

Irreverências No Feminino

By Marta Leal

Saborei-se a verdade de sermos como somos‏

 (imagem retirada da net)

 

Já pensaram como seria se nos saboreasse-mos diariamente? Haveriam dias em que íamos achar que estávamos uma refeição maravilhosa confeccionada segundo as receitas tradicionais. Por vezes arriscaríamos a colocar ingredientes novos que nos tornariam de sabor único entre tantos. Aposto  que outros dias íamos ficar furiosos por estarmos tipo pãozinho sem sal.  Íamos sorrir quando nos transformássemos num chocolate quente derretido por quem gostamos. Noutros dias éramos capazes de  nos  sentirmos como um semi-frio alternado com o gelado de dias menos bons.

 

Doces ou salgados, gourmet ou tradicionais, gelados ou quentes o fantástico é que somos refeições únicas naquela que é a ementa da vida.

 

 

Um dia com sabor a verdade temperada a gosto.  

Perto

(imagem retirada da net)

 

Interessante se pensarmos que mantemos por perto aqueles com quem temos a atitude certa. Interessante se pensarmos que mantemos por perto aqueles que nos fazem bem. Mas o que é isso de atitude certa? Acredito que seja respeitar, gostar e aceitar tal como são. Afinal é isso que queremos que os outros façam connosco não é verdade?

 

Um dia com sabor a atitude, muita atitude.

Magia

 

 

A tranquilidade e a serenidade são coisas nossas do nosso ser e do nosso interior. Quando são autenticas fazem-nos ponderar, avaliar e actuar de uma forma quase que mágica. Quando são autenticas fazem-nos viver de uma forma simples o que nos dias que correm pode ser considerada uma estranha e oculta forma de vida. Nos dias que correm pode mesmo ser atribuída a um qualquer truque de ilusionismo.

 

Um dia com sabor a magia, muita magia.

 

 

Muito Bom

 

(imagem retirada da net) 

 

Acredito que o que é muito bom é atingir aquele equilibrio entre o dar e o receber, o ser e o estar, a actividade e a inactividade, o sorriso e as lágrimas, entre o meu eu e o eu dos outros, entre a aceitação do que sou e a aceitação daquilo que os outros são. Balançar entre um lado e o outro onde o interesse todo está na flexibilidade de se ser humano. Onde o interesse todo está em aceitar derrotas e vitorias, sorrisos e lágrimas e vontades, muitas vontades.


Acredito que o pensar no que somos nos equilibra muito mais em relação ao que fazemos.

 

Um dia com sabor a mimo, muito mimo.

Serenidade

 

(imagem retirada da net)
 

Gosto tanto de estar comigo que sinto a minha falta quando não consigo estar. E é nessa altura que me afasto e me recolho. Depois tenho aqueles momentos de prazer seja a caminhar, seja a ouvir o mar, seja a correr na praia. Sozinha eu e os meus guias, as minhas vivencias, os meus sonhos. E é aí que reside aquilo que eu considero ser a minha fonte de energia os momentos comigo que me permitem que esteja tão bem com os outros.

um dia com sabor a serenidade, muita serenidade.

Gosto do Amor

 

Gosto do amor. Gosto daquilo que nos faz vibrar num nós e num tu. Num eu comigo mesma e num eu com os outros. Gosto da forma como nos faz sorrir com o fígado e abrir o coração. Brilha-se quando se ama, não só o outro mas principalmente a vida que se vive. Vibra-se noutro tom quando nos permitimos amar e sentir.

 

Hoje e porque estamos de regresso fala-se de amor. Daquele que nos faz borboletas no estômago, tremores nas pernas e suor nas mãos.

 

Um dia com sabor a amor, muito amor.

 

 

Pág. 2/2