Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Irreverências No Feminino

By Marta Leal

Irreverências No Feminino

By Marta Leal

Cá por casa

 

Cá por casa parei e pensei que há cerca de 9 anos decidi e escolhi mudar de vida. Cá por casa recordo a  ingenuidade no acreditar mas também a força do avançar.  Aquilo que me fez temer ontem sei que me tornou mais forte no hoje. Cá por casa não posso deixar de sorrir para o caminho que escolhi fazer. Gosto. Gosto daqueles momentos em que me permito sorrir de mim para mim.

Entre partidas e chegadas

Cada indivíduo, desde que nasce até que morre, é como se fosse um aeroporto. Já alguma vez pensaram nisso? Não? Por favor! Não desistam já de ler. Garanto-vos que não fui tomada de uma qualquer perturbação psicopatológica mas apenas de uma vontade suprema de fazer uma comparação que me faz todo o sentido. Acompanham-me? Vamos viajar ao nosso mundo? Peço-vos então, senhores passageiros, que tenham à mão o cartão de embarque para o mundo dos humanos onde os encontros e os desencontros são uma constante, e onde somos muito mais do que sabemos ser.

 

Desde que nascemos até que morremos são inúmeras as pessoas que se cruzam connosco. Desde que nascemos até que morremos perdemos a conta aos que nos fazem rir e chorar, sonhar e duvidar e, mesmo até, avançar ou estagnar. Existem os que compram bilhetes de ida e volta. Estes são os que nos consideram lugar seguro de ideias e pensamentos, risadas e segredos, muitos segredos. Ficam na nossa memória e no nosso coração. São os que nos fazem pensar por onde andarão ou em que viagens terão embarcado. Acredito que estes possuem sempre uma cadeira especial naquela que podemos chamar de nossa sala de espera.

 

Temos também aqueles que entram e saem a correr. Passado uns tempos temos necessidade de fazer um esforço para nos lembrarmos de rostos, de expressões bem como de porquês dessa interacção. Salta-se de pessoa em pessoa e esquecemo-nos da multidão que um dia se cruzou connosco. Passaram na correria intensa de uma vida onde se pára muito pouco.

 

Ficam alguns e partem a grande maioria num vai e vem constante de conversas, ilusões e desilusões, abraços e conflitos, mas muitas aprendizagens. Ficam alguns e partem a grande maioria numa viagem que se chama vida onde o cartão de embarque tem data de chegada e incerteza de partida.

Somos como a sala de um aeroporto. Acenamos aos que partem e recebemos num acolhimento mais ou menos sentido os que chegam cheios de esperança ou sem esperança alguma.

 

Senhores passageiros chegámos ao nosso destino. A vida é um destino cheio de interesses e novidades. Aconselhamos que a visite com olhos de ver e sentir de sentires. Mais se informa que se prevêem temperaturas altas se se atreverem a arriscar e a viver. Mais uma vez agradecemos a escolha pela nossa companhia e desejamos que tenha uma visita que mereça ser vivida.