Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Irreverências No Feminino

By Marta Leal

Irreverências No Feminino

By Marta Leal

Cá Por Casa

 

Cá por casa revoltei-me!!! revoltei-me perante um tempo inconstante e resolvi fazer diferente. Ora se o S. Pedro não me traz o verão levo eu o verão a S. Pedro, pensei eu. E lá andei de pezinho ao léu e roupinha mais fresquinha mesmo perante todas as adversidades temporais não fosse eu uma mulher que enfrenta desafios. Claro que perante uma escolha há sempre uma consequência e a minha foi uma "constipaçãozita"

 

Com o ano lectivo a terminar fico cada vez mais feliz por veres os filhos a crescer e a atingir os objectivos a que se propuseram. Os deles, não os meus porque para mim só assim faz sentido. E é sempre quando o ano lectivo termina que percebo o quão grandes eles estão e o quão depressa o tempo passa.  

 

Há uns dias ouvia alguém queixar-se de que o inquilino não pagava a renda e ficava todo enervado quando a renda lhe era pedida. O meu amigo, neste caso o senhorio, dizia-me que estranhava a reacção do inquilino que era como ele (senhorio) não tivesse o direito de lhe cobrar a renda a ele (inquilino). Cá por casa e em alguns anos nestas andanças só tive 2 desafios para receber as sessões que fiz. Eu entendo que possam existir dificuldades e também entendo que por vezes é desafiante lidarmos com o dinheiro mas o que é interessante é o silêncio, o esquecimento,  e o quase enfado perante a nossa insistência. Quase como se não tivéssemos o direito de cobrar aquilo que nos pertence por horas que trabalhámos. No meu caso considero que a responsabilidade e a aprendizagem são apenas minhas mas confundem-me estas quase trocas de papeis num mundo onde o objectivo é a mudança.  Fala-se em mudança e ajustam-se novas formas de trabalhar ou não fosse eu uma rapariguinha que aprende muito depressa.

   

Eu? continuo assim muito mãe, muito mulher mas sobretudo eu mesma.