Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Irreverências No Feminino

By Marta Leal

Irreverências No Feminino

By Marta Leal

A culpa é do amor

(Imagem retirada da net)
 

Estava eu muito calmamente e eis que me deu um repente e pensei : “vou escrever sobre o amor”. Passa-se do pensamento á acção que é como quem diz do pensamento para as letras. Mas o pensamento do amor é atropelado pelo pensamento do embelezamento do blog. Erro crasso. Até porque eu já devia saber que o meu amor ás letras contrasta com o meu desamor a estas coisas.

Mas pare-se de falar do que nos fez perder tempo e mude-se o registo para falarmos do que nos faz sentido. Ama-se muito pouco e ama-se com muitas condicionantes. Queremos muito num mundo onde damos tão pouco. Seguimos demasiadas regras onde não devíamos seguir regras nenhumas. Questionamos, cobramos, revoltamo-nos e analisamos. Analisamos todos os erros e todas as falhas ao mais ínfimo pormenor. Esquecemo-nos de analisar todas as palpitações, todas as doses de bem estar, todas as gargalhadas sentidas e todas as emoções vividas. Um dia olhamos para o lado e dizemos que a culpa é do amor, que nunca mais e que foi a ultima gota.

A culpa é de facto do amor. A culpa é do amor porque nos coloca um sorriso no rosto e uma vontade no coração.  A culpa é do amor porque faz com que seja tudo muito mais fácil e muito mais leve. Pare-se de lutar naquilo que devia ser uma partilha. Abatam-se egos e reforcem-se cumplicidades. Sejamos um nós que é muito mais que a soma das partes.

 

Ame-se apenas por se amar.

1 comentário

Comentar post