Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Irreverências No Feminino

By Marta Leal

Irreverências No Feminino

By Marta Leal

Estamos no ano de 3116

Estamos no ano de 3116 e o tempo já não é o que era. Eu sei que esta expressão é muito ano 2000. Mas permitam-me que avance e talvez me faça entender. Tempos houve que nos esquecemos de nós mesmos. Que nos tornamos egoístas e materialistas. Tempos houve que matamos outros na nossa espécie apenas porque sim. Explicam-se as diferenças, a fome e a raiva. Explica-se a violência pela falta de amor. Risos contidos em rostos disformes. Perfeições fabricadas e dores multiplicadas.  Crescem especialistas do tudo e do nada. Proliferam políticos, economistas, banqueiros e guerreiros. Desanima-se e deixa-se de acreditar. Sobrevive-se sem sequer se tentar viver. Sobrevive-se sem se sonhar.

 

 Acredito que nada explica o ponto a que chegámos. Acredito que nada explica aquilo que um dia fomos. O mundo uniu-se numa economia global e desuniu-se numa sobrevivência da espécie. De um lado ostentava-se do outro morria-se de fome. De um lado protegia-se do outro atacava-se como se não existisse amanhã. Perde-se a essência individual perde-se a essência colectiva. Confundem-se as estratégias. Mudam-se os seres. Crescem os quereres e os teres. Ameaças de um lado e temores do outro. Sofre-se e deixa-se sofrer.

 

Um dia a humanidade perdeu a memória tal como os dinossauros tinham outrora sido extintos. Acredito nos que defendem que foi a necessidade da mudança. Recuso as teorias que defendem a utilização de armas químicas. Como vos dizia um dia a humanidade perdeu a memória e recomeçou apenas com sentires. Esqueçam-se as referências, as necessidades de competição, os ciúmes, o poder e a inveja. Cresça-se na essência, na intuição e nos sentires.

 

Cresce-se numa humildade contida com um respeito redobrado. Acredito que a memória não se lembre daquilo que a genética transporta. Sorri-se muito e acredita-se mais. Sonha-se num mundo que nos permite concretizar. Avança-se num mundo que nos permite avançar. Vive-se num mundo que não sabe o que é sobreviver. Vive-se o hoje porque não existe o amanhã. Protege-se o que é nosso e quem é nosso. Estamos no ano de 3116 parados num tempo sem tempo. Estamos no ano de 3116 onde o mundo sorri  e questiona de como seria se tivéssemos tempo ….

 

Testo escrito para a fabrica de historias

 

Marta Leal

 

 

 

 

1 comentário

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.